Sobre Mim Entrevistas Artigos Produções Lifestyle

18 de abril de 2018

"Cantina Zé Avillez"


A “Cantina Zé Avillez” do conceituado chef recebe-nos de portas abertas no renovado Campo das Cebolas em Lisboa. "Um conceito de cozinha portuguesa familiar, com um ambiente caloroso e com um cheirinho a alecrim, sentimo-nos em casa" é o que nos promete o novo espaço que acaba de abrir na Rua dos Arameiros, nº15, em Lisboa. Fui experimentar e garanto-vos que foi assim que me senti!






















O espaço é dominado pelos azulejos e pelo azul do céu e do mar, em que cada recanto nos lembra a tradicional alma portuguesa. Um lugar onde a luz natural impera ou não fosse esse um dos cartões de visita de Lisboa. Podemos ainda optar pela simpática esplanada com vista para o rio nos dias de sol.


Ao fim-de-semana a Cantina apresenta também o tradicional cozido à portuguesa!






















Detalhes que fazem a diferença























Uma das apostas da carta são os cocktails com alusões nacionais. Eu optei por um Descoberta e o André pelo Alfacinha. Claro que experimentei os dois e adorei. Prefiro sabores não muito adocicados e estes estavam equilibrados na medida certa!


Os salgados e as entradas são um dos pontos fortes do menu, pelo que não podíamos deixar de iniciar esta viagem gastronómica sem passar pelos típicos Pasteis de bacalhau, os Croquetes de novilho e a Empadinha de alheira. Experimentamos também o delicioso Escabeche de ovos verdes com gengibre, a Saladinha de polvo e batata doce e o imperdível Tártaro de carapau picante. Porvavelmente o menos tradicional, mas que recomendo a quem gosta de sabores intensos.


O roteiro de sabores podia ter ficado por aqui, mas o propósito era ter uma boa ideia do menu e as propostas são irresistíveis para quem gosta da nossa comida.


Um Polvo à Bacalhoeiro foi a opção para prato de peixe e estava simplesmente delicioso! Acompanhámos a refeição com uma sangria branca.


As Pataniscas com Arroz de Feijão eram um dos pratos que a minha mãe fazia na perfeição, pelo que a fasquia era muito elevada, mas é um prato que recomendo.


Por fim, e embora ainda tenham insistido para provarmos o cozido, que ficará certamente para uma próxima visita, saboreamos o Cachaço de Porco grelhado com migas soltas de couve-chinesa e feijão. Mais um prato a não perder, sobretudo para os apreciadores de carne.


Para terminar com notas doces, um Bolo de Chocolate e um Toucinho-do-Céu.


Como já aqui referi sou grande fã dos espaços do chef José Avillez. Este é o lugar perfeito para levarem os amigos que vêm de viagem a Portugal ou simplesmente para reviverem o verdadeiro sabor da cozinha tradicional. Como afirma José Avillez «A Cantina Zé Avillez abre as suas portas a todos os que vivem e trabalham em Lisboa, mas também a quem visita a cidade e o país. Aqui celebramos o nosso gosto em receber bem. A Cantina Zé Avillez é um cartão de visita de Lisboa».

Aproveito para vos deixar o link para outros restaurantes do chef que fui conhecer Bairro do Avillez, Cantina Peruana, Cantinho do Avillez e Mini Bar.


Seguindo o conceito de outros espaços do chef, Felipa Almeida e Ana Anahory desenvolveram o design de interiores, tendo como inspiração as tabernas e os restaurantes castiços do antigamente. O mármore Estremoz, os vários azulejos e o padrão das cadeiras transportam-nos para um ambiente familiar e acolhedor de uma típica cantina portuguesa. Já conhecem este espaço?

16 de abril de 2018

Look | Black & White


Este foi o look que escolhi para usar na entrevista com a Mariana Pacheco no Teatro da Trindade. Um registo casual e confortável. Como o dia era de chuva optei por umas Cubanas mas com glitter para dar um up no visual. Também são fãs de preto e branco?



 














Make- up Perfumaria Douglas by Maria da Luz | Hair by Tita Martins for Anton Beill Haircare






Look 

Shirt, vest and trousers Mango | Glitter ankle boots Cubanas Shoes | Watch Dior | Earings Topázio | Ring Eugénio Campos Jewels

15 de abril de 2018

Resultado Passatempo | Mary Kay


A vencedora do passatempo Mary Kay foi a Dina Martins que concorreu em 79ª lugar. Irá receber 1 kit composto por Vitamina C Activating Squares TimeWise + Sérum Renovador +C. Será contactada por e-mail. Obrigada a todas as participantes.

12 de abril de 2018

Mariana Pacheco | Na Primeira Pessoa


Mariana Pacheco é uma das mais consagradas actrizes da sua geração. O seu talento para as artes revelou-se desde cedo e a certeza de que a sua carreira passaria pelo mundo do espectáculo foi sempre uma constante. Encontrámos-mos num final de tarde antes de dar início à peça o "Principezinho", no Teatro da Trindade, onde personifica a emblemática "rosa", para uma agradável e divertida conversa. Um registo simples e descontraído que tão bem a caracteriza.


Mariana estamos aqui no Teatro da Trindade, onde interpretas a “rosa” no espectáculo do Principezinho. Como te sentes neste papel tão especial? 

Sinto-me muito feliz e preenchida por poder fazer parte de uma história tão verdadeira e intemporal como esta. Quase todas as crianças cresceram com o Principezinho. Poder agora ser uma das pessoas a contar a história a esta nova geração é um privilégio que tem sido muito gratificante.


Esta peça transmite mensagens extremamente actuais, entre as quais o valor da amizade, honestidade, da ausência de máscaras. Achas que no mundo em que vivemos estes princípios estão em crise? 

Acho. Acho que cada vez mais somos pressionados pela sociedade, ideais utópicos e ambiente em que vivemos, a usar essas máscaras. Especialmente num mundo que avança tão velozmente com a tecnologia, as redes sociais e todos esses aparelhos que aparentemente nos aproximam uns dos outros mas que na realidade nos tornam cada vez mais distantes.


Nesta peça destacam-se os teus dotes vocais, como foi entrar num musical? Se não tivesses sido atriz a carreira de cantora teria sido uma possibilidade? 

A carreira de cantora continua a ser uma possibilidade que nunca esteve esquecida. Nunca parei de cantar. Começaram a aparecer novos projetos (nomeadamente teatro musical) que me permitiram e continuam a permitir estar ligada à música profissionalmente, mas sempre foi esse o meu grande sonho.


Quando soubeste que querias ser actriz? 

Muito cedo. Sabia que queria estar ligada às artes. Adorava cantar, fazer palhaçadas, dançar (felizmente percebi a tempo que dançar não é o meu forte), estar à frente das câmaras ou de um microfone. As oportunidades começaram a surgir e não hesitei. Desde muito nova já sabia o que queria fazer na vida.


Começaste com o “Jogo” na SIC em 2003, entraste nos “Morangos com Açúcar” e desde então a tua carreira não mais parou de crescer…Qual a personagem que mais te desafiou? Confesso que como espectadora a Catarina Ferreira em “Coração d’Ouro” marcou-me muito, chegando por vezes a “detestar-te” (risos). Como se lida com esse lado? 

A personagem que mais me desafiou foi precisamente a Catarina, em Coração D’ouro. Foi uma oportunidade incrível mas assustadora ao mesmo tempo e tive muito medo de falhar.


Sei que gostas de escrever. Isso ajuda-te a preparar os teus personagens? 

É fundamental. Preciso de entrar dentro da personagem e para mim, não chega decorar o texto e saber as suas características. Gosto de ir mais longe, gosto de escrever os seus diários, criar uma história, um passado, encontrar segredos e coisas que possam ser só minhas. E adoro fazer essa construção.


Qual foi a sensação de ganhar um Globo de Ouro? Consideras que foi o momento mais marcante da tua carreira até à data? 

Foi totalmente inesperado. Provavelmente dos momentos mais bonitos que marcam a minha vida, num ano que foi cheio de coisas boas.


Até onde gostarias de ir como actriz? Tens curiosidade em explorar outros mercados? 

Claro. Gostaria de ir o mais longe possível. Gosto de testar os meus próprios limites e saber se consigo ultrapassá-los. Gostaria muito de fazer cinema, e quero continuar a fazer teatro e televisão. Sinto que tenho muita sorte por poder fazer o que mais gosto, mas é importante continuar a ter ambições sem nunca deixar de valorizar o que temos e já conseguimos.


Gostas de moda? Como identificas o teu estilo? Até onde irias na mudança de look para compor um personagem? 

Não é uma área que me interesse muito, na verdade. Para uma personagem seria capaz de fazer mudanças radicais. Na minha vida pessoal, gosto de simplicidade e conforto. Não adoro ir às compras e os desfiles de moda aborrecem-me bastante :)


Como te defines como mulher? 

Acho que sou sonhadora, sempre lutei pelos meus objetivos e gosto de os concretizar. Sou simples e emocional.


Créditos Fotográficos Catariina Fernandes Photography


Hair by Tita Martins for Anton Beill Haircare 


  Make- up Perfumaria Douglas by Maria da Luz


Look

Shirt, vest and trousers Mango | Glitter ankle boots Cubanas Shoes | Watch Dior | Earings Topázio | Ring Eugénio Campos Jewels