Sobre Mim Entrevistas Artigos Produções Lifestyle

10 de dezembro de 2020

Web Summit 2020 | From Home


2020 mudou a nossa vida e também o formato do Web Summit, que desta vez decorreu online. Se, por um lado, tínhamos a liberdade de podermos movimentar-nos entre os diferentes palcos e conversas, por outro, perdeu-se parte da componente humana e da dinâmica que caracteriza este evento. No entanto, a organização teve o cuidado de criar um espaço antes e depois das sessões, denominado mingle, para podermos interagir com outros participantes e fiz mais contactos na app do que nunca.


O covid-19 foi obviamente um dos assuntos dominantes, bem como a forma como esta pandemia veio afectar a nossa vida. Por esse motivo, o teletrabalho, sendo a nova realidade, foi um dos temas fortes da agenda, assim como a saúde mental, tão importante nesta fase. Um dos dias começou mesmo com uma sessão de meditação. 


As compras online estão igualmente na ordem do dia, tal como afirmou Ursula Von der Leyen no seu discurso de abertura, “mesmo aqueles que nem uma pizza tinham encomendado pela web habituaram-se a toda uma série de serviços por esta via”. Mark Morris da Burberry, uma das primeiras marcas de luxo a aderir ao online, diversamente de outras deste segmento que achavam que não fazia sentido, afirma que em nada diminui a experiência de loja, sendo antes um complemento para o cliente e uma forma de chegar a um target mais jovem. 

A sustentabilidade foi outro dos assuntos que se destacou nas sessões, por esse motivo empresas como a Levis vendem cada vez mais em segunda mão, tal como afirma Chip Borgh da marca. 


Buy less with more quality” é o lema da actriz Robin Wright que detém actualmente a Pour Le Femmes, uma marca de sleepwear, conjuntamente com Karen Fawler, e que visa também dar trabalho e ajudar organizações humanitárias em zonas de conflito à volta do mundo. Tendo a solidariedade como ponto principal, nasceu também o projecto “more than a mask” de Olivia Culpo (modelo e influencer) para ajudar os mais desfavorecidos. 

As alterações climáticas são um tema incontornável e tivemos oportunidade de ouvir, por exemplo, Phililippe Cousteau fundador da EarthEcho, inspirado pelo legado do seu avô Jacques Cousteau, bem como Malala Yousafzai, vencedora do Nobel da Paz que também falou sobre o seu impacto.


Malala afirmou “temos de investir em educação com qualidade para as raparigas. As alterações climáticas estão ligadas a todos os problemas que estão à nossa volta e a educação é um deles”, sendo este um dos motes da fundação com o mesmo nome. A laureada juntou-se a Lisa Jackson, a Vice-Presidente da Apple para o Ambiente e iniciativas sociais, que chama à responsabilidade dos governos e empresas para actuarem rapidamente e de forma decisiva de modo a cumprirem com os objectivos climáticos. A tecnológica anunciou que pretendem ser carbon neutral no fabrico dos seus produtos (incluindo cadeia de fornecimento) até 2030. 

A consciência cívica ganha cada vez mais importância e Siyabulela Mandela, neto de Nelson Mandela e activista pela Paz e Direitos Humanos, pronunciou-se sobre silêncio e violência. As eleições norte-americanas e as fake news foram outros dos pontos mais debatidos. 


Cuidarmos de nós numa altura em que vivemos tempos tão incertos é fundamental para a nossa saúde física e mental, sendo um dos assuntos abordados pela actriz Jessica Alba (The Honest Company) e Ariana Huffington (Thrive Global) na talk sobre "Healthy habits for a better world". Também a actriz Gwyneth Paltrow falou sobre estes valores, a importância de desligar, meditar ao mesmo tempo que continua a gerir a sua empresa “Goop” em altura de pandemia e os desafios que implica. Este, aliás, foi outro dos focos, como manter uma empresa nestes tempos de incerteza. 

O poder cada vez maior das redes sociais também é cada vez mais debatido, ou não passássemos cada vez mais tempo online. Caspar Lee (Youtuber) afirma “em 2020 toda a gente começou a ser um influencer”. “Eu não tenho uma equipa grande”, mas o que importa e o que as pessoas valorizam é a autenticidade, refere. Caspar acrescenta que “não podemos estar em todo o lado, nem fazer coisas com as quais não nos identificamos”, pelo que é importante definir as plataformas“ que façam sentido para nós”. No mesmo sentido, o comediante Kevin Hart refere que é fundamental ser autêntico! “I want to be an example of who I am”. Não posso ser um exemplo se não for real. As pessoas devem ser a melhor versão de si mesmas. É importante encontrar influencers que realmente adorem o produto, para criar verdadeiras parcerias de sucesso. Olivia Culpo também refere a este respeito “Being cool to be kind, being honest about who you are today even you lose followers.” Este foi também o meu enfoque no artigo que escrevi sobre "O poder de influenciar" e que podem ler aqui


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, como é habitual, encerrou o certame e referiu que o Web Summit online mostrou o quão importante é o evento físico, com milhares de pessoas a percorrer as ruas de Lisboa. “Todos nós sonhámos, pelo menos uma vez na vida, com um mundo digital, com uma Web Summit totalmente digital (…) Estamos lá, pelas piores razões, a pandemia”. 

Marcelo Rebelo de Sousa espera, por isso, que a edição de 2021 decorra no formato habitual, voltando a reunir pessoas “em carne e osso”, seja pela aprendizagem, negócio ou diversão.


 Para além da edição em Lisboa, o Web Summit em 2021 contará também com uma edição no Japão. Espero que toda a conjuntura evolua no sentido de voltarmo-nos a reunir no formato habitual!

Sem comentários:

Publicar um comentário