Sobre Mim Entrevistas Artigos Produções Lifestyle

18 de outubro de 2012

Maria Barros | Na primeira pessoa


Há uns tempos vi um comentário da Maria no Facebook em que dizia que …” os dois últimos livros que li foram eles que me escolheram a mim”. Foi exactamente o que me aconteceu quando li o seu livro, “Casa Feliz”, numa fase da minha vida em que senti que me estava a desprender verdadeiramente de coisas que só me estavam a bloquear.

Alguns dias depois encontrei a Maria Barros na “Vogue Fashion’s Night Out”, já depois de lhe ter endereçado o convite para esta entrevista, e tive a certeza que a Maria era a mulher que transmite ser no seu livro. Simpática, extremamente elegante e que brilha com uma luz própria.

Realizar esta entrevista no seu Atelier foi um momento verdadeiramente único. Tive a oportunidade de conhecer melhor a Maria, uma mulher que tanto admiro, e entrar “no seu mundo” cheio de peças que adoro e que nos remete inevitavelmente para uma “Casa Feliz” cheia de energias positivas! Obrigada Maria.


Acredita que todos os seus leitores conseguem concretizar esta mudança?

Essa pergunta deve ser feita às pessoas que leram o livro e não a mim... porque na verdade o nível de receptividade de cada um mudará por completo o sucesso da minha intenção ao escrever a Casa Feliz. - tentei passar conceitos que me parecem primordiais para uma vida descomplicada numa casa feliz, mas, na verdade, a minha voz só vai chegar a uma cabeça receptiva, como em tudo na vida. Fico contente que a sua tenha estado e que, no seu caso, como em tantos que as minhas leituras foram partilhando comigo, tenha surtido efeito!


Considera que já chegou a uma plataforma de equilíbrio entre o essencial e o supérfluo? Que objectos/”tesouros” ainda guarda?

Quase. Quase... Não conheço nenhuma mulher que não tenha sapatos a mais...


A Maria é por si só uma fonte de inspiração. A sua elegância, o colorido das peças que elege fazem com que tenha uma aura de felicidade à sua volta. O que a inspira?


Inspiram-me as pessoas, as conversas... Ideias diferentes, formas de ver a vida diferentes da minha. Quando estou a trabalhar tento sempre que o cliente (quem me contrata) seja a maior fonte de inspiração. O que gosta de fazer, a roupa que usa, os quadros que tem, as viagens que já fez e as que quer fazer.... vou beber a tudo isso para criar uma decoração que seja a sua cara, com a qual se identifique e onde possa viver feliz!

Por outro lado, no meu universo pessoal, inspiram-me muito e de uma forma inequívoca, as viagens que faço. Mais que tudo.... mas o cinema, a literatura, a pintura, até a musica... a arte em geral é uma maravilhosa fonte de inspiração.


Já pensou criar a sua própria linha para casa ou até mesmo uma linha de roupa com a sua assinatura?

Já, claro! Nada está fora de hipótese. Enquanto eu tiver saúde e esta energia maravilhosa, vou sempre ter vontade de fazer muitas coisas!


Quais os criadores de Moda nacionais e internacionais com quem mais se identifica?

Gosto muito de peças femininas, coloridas... Nunca vou usar nada só porque se usa ou é moda. Uso peças de que gosto, que me favorecem e que me ficam bem. Peças que têm a ver com o meu estilo pessoal.

Gosto de J.Crew, Alice+Olivia, DVF , Pinko, Maje, Zadigue et Voltaire, Tory Burch, Tibi... and the list goes on, and on....


Acho que para além das roupas sempre bem coordenadas a Maria tem peças de bijuteria absolutamente perfeitas. Posso cometer a ousadia de lhe perguntar qual ou quais as marcas que usa habitualmente?

Gosto muito de H. Stern e Pomolatto. Ambas marcas usam muito as pedras e têm uma joalharia muito colorida e divertida.

Gosto muito de Kenneth Jay Lane. A maior parte das peças têm um aproach vintage, parecem saídas directamente de Palm Beach nos anos 50... e serão sempre clássicos. A Clarinha irá herda-las exactamente como se fossem joias verdadeiras porque são de uma qualidade absolutamente maravilhosa apesar de não serem pedras preciosas.


Qual o look que adopta no seu dia-a-dia? Tem alguma peça de roupa predilecta?

Shorts, t-shits com decote em V sandálias rasas. Jeans de várias cores todo o inverno. No meu dia-a-dia gosto de andar muito prática. Aliás, nem faz muito sentido ir visitar obras de stiletos...


Tem algum ritual de beleza? Que cuidados especiais têm o rosto e corpo? Tem alguma marca de eleição?

Sou filha de um pai que em tempos chegou a ter uma fábrica de cosméticos e quase sempre esteve ligado ao mundo dos cremes e perfumes. Cresci a olhar para a minha mãe, que apesar de não se maquilhar sempre teve os maiores cuidados de beleza com a sua pele. Ainda hoje, a minha mãe tem um aspecto jovial apesar da sua idade. - E como na verdade aprendemos melhor com exemplos do que com teoria, tive a sorte de ter dois óptimos exemplos em casa. Habituei-me desde muito nova a usar bons cremes, a limpar, tonificar e hidratar sempre a pele, de manha e ao deitar. Um ritual que sempre fez parte da minha rotina, como o de lavar os dentes. Lembro-me de ter amigas que dormiam com maquilhagem e de ficar horrorizada. Nunca fiz isso...

Gosto de várias marcas mas neste momento estou a usar produtos da Estée Lauder. A rotina de todas as manhas e noites passa por usar o serum Perfectionist e a seguir o hidratante Revitalizing Supreme que para além de ter uma textura maravilhosa, pode ser usado como creme de dia e de noite o que para mim é uma vantagem. Para além disso os resultados são visíveis... sinto a pele bem mimada e luminosa."


No início do seu livro sugere que uma só peça/objecto pode ser o ponto de partida para toda uma decoração. Algum conselho / sugestão para a sua escolha?

Começar por uma peça que a entusiasme, que lhe dê animo para fazer o resto. Seja um quadro, um lenço de seda que decidiu emoldurar, um tapete com um padrão que a cativou ou um estampado de um tecido. É sempre mais fácil ter um ponto de partida.


Houve uma frase no seu livro que me marcou particularmente, “Editing is the new black”. Para quem ainda não leu o livro em que se concretiza esta sua afirmação? Acredita que depois de atravessarmos esta crise vamos mesmo aprender a viver apenas com o essencial?

Acho que a maior parte das pessoas vive com coisas a mais. E quando temos tudo a mais, perdemos o foco das coisas que têm realmente importância. Não conseguimos ver para além da confusão e do caos. Coisa que, diga-se de passagem, é fácil de se instalar. - o trabalho de “editar” deve ser permanente, constante. Nunca devemos deixar que as “coisas” tomem o espaço da nossa liberdade de movimentos e da nossa liberdade de espirito.


Sei que a Maria adora viajar. Quais são os seus destinos de eleição e porquê?


Existe uma ilha muito pequenina nas Caraíbas que se chama St Barthelemy e que tem o poder de me chamar, de me puxar para lá. Tenho sempre vontade de voltar a St Barth e volto quando posso. Nunca tenho a sensação de que estou a desperdiçar a possibilidade de conhecer outro destino, porque na verdade nunca me canso de voltar aos lugares que me fazem sentir verdadeiramente livre e feliz. Tenho sido sempre muito feliz quando lá estou.

Mas, sim, como diz, adoro fazer as malas e ir ao encontro de outras culturas. Estejam elas onde estiverem. Sinto que tenho uma alma meio nómada. Gosto mesmo de andar de um lado para o outro...


Quais os pintores que tem ou gostaria de ter em sua casa?

Tenho um pintor na família. O meu irmão Ricardo Barros, apesar de só mais recentemente se começar a afirmar como tal, é um pintor e um artista que admiro. É irreverente e divertido. Pinta com o coração nos dedos e nota-se. É tudo emoção. É uma viajem meio louca pelo seu mundo. Nada é evidente. Dá que pensar...


Em Portugal quais são os seus retiros?

Já disse noutras vezes que me perguntaram - Choupana Hills na maravilhosa Ilha da Madeira. Já há algum tempo que não vou lá mas tenho sempre saudades. A ilha é mágica, aquele entardecer sobre a baía do Funchal é único. E o Choupana tem uma vista desafogada e privilegiada. Depois, tem um SPA divinal... Agora que me lembrei, apetecia-me ir já para lá hoje à noite! : )


Que Hotéis elege pelo seu design em Portugal e no Estrangeiro?

Ritz Four Seasons em Lisboa é tudo aquilo que se espera de um hotel de cinco estrelas numa cidade cosmopolita. É super requintado, old school... adoro ir lá almoçar.

O Hotel Palácio do Estoril, na linha de Cascais, é emblemático, como o Hotel Copacabana no Rio. Por lá já passaram muitas personalidades deste e do século passado. É um hotel com história e patine. Sente-se isso em todos os recantos.... A varanda numa tarde de verão é um sonho.

O Bairro Alto Hotel, é o verdadeiro hotel de charme citadino. Está em Lisboa, no coração do Chiado mas poderia tão tem estar em Londres ou Nova York. Tem um terraço bar que tem uma vista única sobre o rio Tejo...


Lembra-se qual foi o seu primeiro trabalho como decoradora? Que memórias guarda?

Lembro-me, claro! - Comecei a trabalhar com a decoradora Graça Viterbo, como sua assistente. Como digo sempre, tive a sorte de aprender com a melhor decoradora que estes País conheceu até agora. Tenho uma eterna admiração por ela e pelo seu trabalho.

Como foi viver na Florida ainda tão jovem e numa realidade e sociedade tão diferentes da nossa? O que mais a marcou?

Foi uma das muitas coisas boas da minha vida. É uma memória que terá sempre um lugar especial no meu coração. Foi tudo muito decisivo para a minha formação. Fez de mim um ser humano mais completo e melhor. Mais em sintonia comigo. Tomei várias decisões importantes nessa altura que me trouxeram onde estou. Adoro voltar à Florida. Era um lugar onde adoraria viver...


Ter uma casa decorada pela Maria é um sonho de muita gente. É possível passar do sonho à realidade com um budget low cost?

Acho que se poupa em erros e más escolhas o que se gasta nos honorários de um projecto. - É uma escolha que não me cabe a mim vender, alias tenho muito pouco jeito para me “impingir”. - Tenho sempre tido a sorte das pessoas virem ter comigo por mim e pelo meu trabalho.




Uma ideia da Maria que achei absolutamente genial foi o armário de lingerie. Já a concretizou?

Infelizmente não. E olhe que ainda na semana passada estava a pensar nisso. Tenho tido um ano absolutamente alucinante em termos de trabalho... Não tem sobrado tempo para o tempo que a minha casa precisa. Eu acho que ela anda com saudades minhas...


Como é que a Maria se define como mulher?

Sou extrovertida, adoro comunicar, falar e ouvir. Gosto de conhecer pessoas e de guardar bem as poucas que adoro e que têm um lugar especial no meu coração. Gosto de cantar no carro e em qualquer lado... às vezes as pessoas ficam a olhar para mim... lá vai a louca a cantar na rua... Importo-me pouco com o que as pessoas pensam de mim. Já consegui chegar a esse patamar em que sei que o que os outros acham de mim não me define. Falta-me a pachorra para que me analisem muito, irrita-me ter que preencher um determinado padrão. Gosto de andar descalça. Falo altíssimo, sempre falei, nasci com voz de actora ou locutora de rádio, sei lá... antigamente tinha vergonha, agora acho giro. É um traço da minha personalidade. Adoro rir. Ás vezes acho que tenho graça, mas a maior parte das vezes sou preguiçosa e prefiro que me façam rir. Tenho sorte porque tanto o meu marido como os meus filhos adoram fazer-me rir. É a arma mais fácil para me por bem disposta. Os 3 perceberam isso há muito tempo... adoro ser mulher do Rui e mãe do Salvador e da Clarinha. - Tenho uma profissão maravilhosa que me deixa expressar a minha criatividade.

Tenho alma de viajante. Sou curiosa, gosto de saber tudo... digo sempre que guardo bem segredos, mas na verdade tenho alguma dificuldade... Não gosto de ler jornais. Só sei o que se passa no mundo porque o Rui me conta e diz e explica. Até essa sorte eu tenho... Não gosto de tomar remédios nem gosto de ir a médicos. Na verdade não acredito muito no tipo de medicina tradicional e convencional. Gosto de médicos e cozinheiros de fusão. Gosto da ciência misturada com homeopatia e de bacalhau com risotto e manjericão. Adoro as minhas amigas, a vida sem elas não tinha metade da graça. Gosto muito de ser mulher e de tudo o que é implícito e inerente a esta condição. Sou muito agradecida à vida e às pessoas que contribuem para a minha felicidade.



Créditos fotográficos DanielaSousaPhotography


Agradecimentos J'adore Macarons


A partir de hoje encontra-se disponível o site de vendas online Maria Barros. Descubra algumas das peças magníficas da Maria em:

www.mariabarroshome.com

10 comentários:

  1. Adorei a entrevista, ficamos a conhecer melhor o universo da Maria Barros e do colorido que a própria dá ao mundo! Imenso requinte aliado a sofisticação. Muitos parabéns por mais um excelente trabalho. Conteúdo e trabalho editorial fantásticos, dignos de uma grande publicação da nossa actualidade.

    ResponderEliminar
  2. É um atelier de sonho! Sem dúvida :) Transmite uma energia imensa...imagine-se sentir isso ao vivo...deve ser único!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Mais uma maravilhosa entrevista! Adorei, como já e habito ! Um beijinho enorme amiga

    ResponderEliminar
  4. Obrigada pelos vossos comentários;) Acima de tudo foi uma entrevista que fiz com muito amor por adorar o trabalho da Maria. Aqui está obviamente reflectido o seu talento e também a reportagem fotografica feita pela Daniela Sousa.

    Um beijinho às três:)

    ResponderEliminar
  5. Foi uma manhã fantástica!
    Obrigada Carmen por mais um convite fantástico e um beijinho grande para a Maria que nos recebeu com um sorriso largo. ;)

    ResponderEliminar
  6. Obrigada eu Daniela por mais uma vez colocares toda a tua arte e paixão nas imagens que captas-te para esta entrevista. Também não posso deixar de agradecer à Maria por nos ter recebido com toda a sua elegância e simpatia no seu magnífico Atelier. Foi sem dúvida uma manhã muito bem passada:)

    Beijinhos às duas.

    ResponderEliminar
  7. Muito bem, em tudo. No que contas de ti. Nas perguntas que te permitiram dizer de ti. E as fotos do teu atelier e de ti própria, numa gramática que te traduziu, em imagem, na perfeição. Bom de bom!

    ResponderEliminar
  8. Excelente entrevista, cheia de vida, cheia de cor. Eu que estive presente no making-of, recordo o ambiente de boa disposição e a simpatia da Maria Barros, a forma apaixonada como fala do seu trabalho.

    ResponderEliminar
  9. Gostei muito da entrevista querida Carmen!
    A Maria é um amor e com m bom gosto indiscutível. Parabéns!
    Beijinhos ás 2

    ResponderEliminar
  10. Obrigada querida Maf:) Esta entrevista deu-me um prazer incrível por poder conhecer melhor mundo de sonho da Maria. Um beijinho e bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar